07/05/2011

Sem Pouso


De repente me consolou o fato de haver a india, a china, as cidades sagradas.

Não podia dormir.
Tua porra em mim.

E morava nesta sua casa, nesta noite só, um lugar totalmente desconhecido:

Eu nunca te vi,
não te odeio,
não te desgosto.

O mundo todo
que não sei

é você
bem ao meu lado,
que nasce
de dentro,
a quem amo para fora,

a quem amo pra fora e pra muito além de mim.

3 comentários:

guru martins disse...

...e só irradia
o bom...

bj

Guilherme Semionato disse...

gostei dos seus poemas, ana. vim parar aqui pelo site da 7letras. pretendo integrar a coleção listrada um dia. você pode ler meus poemas aqui: http://umpoematoscopordia.blogspot.com/

parabéns pelo livro.

Tavares disse...

legal Guilherme!!
vou ler sim,

obrigada!!
absç